domingo, 29 de julho de 2012

Como surgiu a rivalidade entre Cruzeiro e Palmeiras?


Como surgiu a rivalidade entre Cruzeiro e Palmeiras?



em Curiosidades
Cruzeiro e Palmeiras se enfrentam hoje, às 18:30, no estádio Independência, em jogo válido pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro.
Sempre me intrigou o fato de uma das maiores rivalidades dos cruzeirenses serem os palmeirenses, e vice versa. Nunca entendi. Afinal, Cruzeiro e Palmeiras têm origens semelhantes e são praticamente irmãos afastados. Os torcedores de ambos os clubes deveriam ter uma relação, se não de amizade, pelo menos de respeito. O que não acontece. A rivalidade entre o palestra paulista e o mineiro já envolveu brigas até fatais.
Como todos sabem, Cruzeiro e Palmeiras foram criados inicialmente com os nomes de Palestra Itália. Ao contrário do que muitos pensam, eles não foram idealizados por imigrantes italianos, e sim pelos consulados italianos de São Paulo e Belo Horizonte.
No final do século XIX e início do XX, a Itália enviou para o Brasil cerca de 3,6 milhões de pessoas, influenciadas por diversos motivos que não vêm ao caso agora. Na época, o dinheiro enviado pelos emigrantes italianos era muito importante para o governo da Itália, que estava promovendo algumas ações para incentivar o sentimento nacionalista dos seus cidadãos. Mesmo com os italianos sendo muito ligados à cultura do país, esses se identificavam mais pelas suas famílias e regiões, do que propriamente pela Itália.
Por causa disso, em 1914, o consulado italiano de São Paulo, juntamente com o Conde Matarazzo, criou o Palestra Itália. 7 anos mais tarde, o mesmo aconteceu no consulado mineiro, presente em Belo Horizonte desde 1904, com praticamente os mesmos ideais do Palestra de São Paulo.
Desde então, as diretorias de ambos os clubes sempre foram próximas e mantiveram relações cordiais, mesmo após a proibição do uso do nome “Palestra Itália” por causa da Segunda Guerra Mundial.
Após longos anos com as diretorias de Cruzeiro e Palmeiras sendo comandadas por descendentes italianos, a Família Masci saiu do comando cruzeirense, cedendo espaço para a Família Perrela. Isso simbolizou uma certa perda da valorização da cultura italiana no time mineiro, enquanto ela sempre esteve muito presente no time paulista. Hoje, sob o comando de Gilvan de Pinho Tavares, há um forte movimento de resgate à cultura italiana. Inclusive, o atual diretor de futebol, Alexandre Mattos, foi uma exigência dos conselheiros “italianos”, que ainda são muito fortes e presentes no conselho do Cruzeiro.
Nos jogos entre os Cruzeiro e Palmeiras, é tradição a bandeira da Itália entrar junto com os times para simbolizar a origem em comum das duas instituições.
Hoje:
Esse breve histórico serve apenas para resumir a história de Cruzeiro e Palmeiras, identificando os pontos similares e os divergentes entre as duas instituições.
Vimos que há muitos pontos em comum entre Cruzeiro e Palmeiras e, até hoje, as diretorias de ambos os clubes mantêm uma certa cordialidade entre si.
Isso, no entanto, não interfere na rivalidade entre as duas torcidas. Um jogo entre Cruzeiro e Palmeiras nos dias de hoje é praticamente certeza de conflito entre as torcidas organizadas de ambos os clubes.
É sabido que a principal torcida organizada do Cruzeiro é aliada à torcida do São Paulo e do Atlético Paranaense. Enquanto a do Palmeiras é aliada à principal torcida organizada do Atlético Mineiro e do Vasco da Gama.
É complicado entender a lógica das torcidas organizadas. Enquanto a Galoucura é praticamente co-irmã da torcida de um clube com origens tão semelhantes ao principal rival, a Mafia Azul é co-irmã de uma torcida do time homônimo ao maior rival.
Enfim, situações de torcidas organizadas que nunca entenderemos. Possivelmente nem há explicações lógicas para elas.
Mas a rivalidade entre a torcida de Cruzeiro e Palmeiras não é exclusiva às torcidas organizadas. É sabido que os torcedores que mais frequentam os estádios são pessoas entre 18 e 30 anos. Ou seja, grande parte das torcidas dos clubes se formaram na década de 90, quando os torcedores estavam na infância ou na adolescência, períodos essenciais na formação do torcedor. Muitos desses torcedores se tornaram verdadeiros palmeirense ou cruzeirenses, devido à década de 90, que foi a década mais vencedora tanto de Cruzeiro quanto de Palmeiras.
Títulos dos clubes na década de 90.
Com times tão vencedores, obviamente eles iriam acabar se confrontando. E foi o que aconteceu. Veja os números de vitórias em cada uma das competições:
Olhando esses dados nem parece que os clubes mantinham uma rivalidade acirrada. Ledo engano. Apesar de poucos confrontos, muitas das vezes que se enfrentaram estavam decidindo títulos ou classificação. Relembre.
1996 – Copa do Brasil
Em 1996, Cruzeiro e Palmeiras se enfrentaram na final da Copa do Brasil. O alviverde tinha um esquadrão fantástico, com jogadores como: CafuJunior,RivaldoDjalminha e Luizão. A imprensa praticamente já tinha dado o troféu ao time paulista. No primeiro jogo em Minas Gerais, empate por 1 a 1. No jogo de volta, em São Paulo, o Cruzeiro surpreendeu todo mundo e sagrou-se campeão em cima do time palmeirense.

1998 – Copa do Brasil
2 anos depois, os times se encontraram na mesma situação na Copa do Brasil. Novamente decidindo a final da competição. Dessa vez o Cruzeiro também possuía um grande time e o favoritismo do time paulista não se repetia para essa final. No jogo de ida o Cruzeiro venceu por 1 a 0, mas na volta o Palmeiras conseguiu se vingar e vencer por 2 a 0.

1998 – Campeonato Brasileiro
Em 1998 os dois clubes novamente se enfrentaram em um momento decisivo. O Palmeiras foi o 2º colocado da 1ª fase do Campeonato Brasileiro, enquanto o Cruzeiro foi o 7º. Por causa disso, eles se enfrentaram na quarta de final da competição. No 1º jogo, vitória do time mineiro por 2 a 1. No 2º, vitória do time paulista pelo mesmo placar. O regulamento na época previa um 3º confronto, sendo que o Palmeiras tinha a vantagem de jogar em casa e por um empate. 3 outros clubes paulistas já haviam se classificado para a semifinal. Faltava apenas o Palmeiras para transformar o Brasileirão em um Paulistão.
O 3º jogo do duelo foi um dos mais emocionantes da história dos confrontos entre Cruzeiro e Palmeiras. O time mineiro abriu 2 gols de vantagem, o time paulista conseguiu empatar e ainda contava com um jogador a mais em campo. Mas, no final, Fabio Junior marcou e classificou o time celeste.

1998 – Mercosul
Como se não bastasse tantos confrontos em 1998, no dia 29 de dezembro os dois clubes tiveram que se enfrentar valendo, novamente, um título importante. Dessa vez foi a Mercosul. O Palmeiras levou a melhor novamente e o Cruzeiro foi vice pela 3ª vez no ano.

1999 – Mercosul
Para encerrar a década com um confronto entre os dois times, Cruzeiro e Palmeiras se encontraram nas quartas de final da Mercosul. Porém, ao contrário de 1996 e 1998, o duelo não foi decidido com gols no final de maneira emocionante. No primeiro jogo o Palmeiras conseguiu fazer 7 a 3 e praticamente decretou sua classificação alí.

Fonte histórica: Anísio Ciscotto – conselheiro do Cruzeiro e presidente da Acibra (Associação de Cultura Ítalo-brasileira)

Vale à pena conferir a pena competente de meu amigo Vinícius! Orgulho do Papai Jonas Eduardo!

Um comentário:

  1. Bela aula das origens históricas da verdadeira máquina de jogar bola em Minas. Um confronto marcado pelo equilíbrio nas decisões. Isso sim faz um clássico.

    ResponderExcluir